contato@uniaoespiritadepiracicaba.com.br (19) 1234-5678

Por Wilson R. Garcia em 05/12/2012

A ignorância é um dos maiores entraves ao progresso humano, quer seja no âmbito espiritual, como em qualquer outra área. Na obra "Um Conto de Natal", escrito por Charles Dickens, o personagem que representa "O Espírito do Natal Presente", traz consigo, escondidas sob seu manto, duas crianças com rostos medonhos. Estas crianças são apresentadas como a "Ignorância" e a "Miséria", alertando para que tenhamos cuidado com as mesmas, e de certa forma, relacionando-as.

Ignorância é um termo que pode descrever a condição de desconhecimento sobre algo, mas que também, costuma ser aplicado para descrever uma postura excessivamente inflexível de negação de fatos ou de ideias que diferem das suas. De qualquer forma, a ignorância, não é sinônimo de inferioridade, incapacidade ou demérito. A ignorância é um estado, uma situação transitória que pode ser superada com a mudança de atitude, isto é, para vencer a ignorância é necessário estar receptivo, além de empenho e disciplina. O simples desejo de conhecer coisas novas e a predisposição de incorporar novas ideias, podem gerar as experiências necessárias para o aprendizado.

Podemos adquirir conhecimento através de diversas formas: a boa leitura, a participação em cursos e palestras, a convivência social e a prática da observação, são alguns exemplos.

Estudo Através da Leitura

A leitura é talvez a mais antiga maneira de compartilhar o conhecimento adquirido. O homem é o único animal terrestre capaz de registrar suas experiências através da linguagem escrita com o objetivo de transmitir o conhecimento. Através da leitura somos apresentados a novas ideias, e desafiados a refletir sobre assuntos até então desconhecidos.

Todo o conhecimento fundamental sobre a Doutrina Espírita pode ser encontrado nas cinco principais obras publicadas por Allan Kardec entre os anos de 1857 e a 1868, estas obras compõem o que chamamos de Codificação Espírita, são elas: "O Livro dos Espíritos", "O Livro dos Médiuns", "O Evangelho Segundo o Espiritismo", "O Céu e o Inferno" e "A Gênese".

Devido a natureza científica-filosófica do Espiritismo, o próprio Kardec incentiva a prática do estudo e da atualização do conhecimento. Acredito que esta posição de Kardec evidencie sua preocupação de evitar que O Espiritismo pudesse se tornar uma doutrina fundamentalista, baseado numa fé cega e irracional. Disto resulta a importância do hábito da leitura para o verdadeiro Espírita.

2 Espíritas! amai-vos, este o primeiro ensinamento; instruí-vos, este o segundo.1

A literatura espírita é fartíssima, existem as chamadas obras subsidiárias e complementares, algumas com o objetivo de oferecer novas bases para os conceitos já abordados e outras com a função de complementar esta abordagem, quase sempre embasadas em novos estudos ou revelações. No Espiritismo, o estudo através da leitura é assunto sério, e uma ferramenta valiosa e poderosa para a compreensão dos fatos que ocorrem ao nosso redor e para a consolidação de uma fé sincera, que sustenta, consola e inspira.

Mas Você é o Que Você Faz e Não o Que Você Sabe

De forma simplificada o termo conhecimento define um conjunto de informações potencialmente aplicáveis na prática. Conhecer é incorporar um um novo conceito ou ideia, porém, o sentido maior da nossa busca pelo conhecimento está na aplicação deste conhecimento na vida real, de forma que possamos nos beneficiar dele, modificando o modo como nos relacionamos com o mundo e com as pessoas ao nosso redor. De nada adianta o acúmulo de conhecimento se este não é aplicado em nosso benefício.

Adiantamento Moral e Adiantamento Intelectual

De acordo com a definição do dicionário, ter sabedoria "é ter grande conhecimento, erudição, prudência, moderação, temperança, sensatez e reflexão" 2. Nesta definição, além do conhecimento e da erudição, aparecem também algumas virtudes que só podem ser desenvolvidas através da relação com nossos semelhantes. Uma pessoa pode ler centenas de livros, adquirir grande conhecimento e mesmo assim pode não ser considerado "sábio".

O Espírito Emmanuel nos esclarece:

"O sentimento e a sabedoria são as duas asas com que a alma se elevará para a perfeição infinita.

No círculo acanhado do orbe terrestre, ambos são classificados como adiantamento moral e adiantamento intelectual, mas, como estamos examinando os valores propriamente do mundo, em particular, devemos reconhecer que ambos são imprescindíveis ao progresso, sendo justo, porém, considerar a superioridade do primeiro sobre o segundo, porquanto a parte intelectual sem a moral pode oferecer numerosas perspectivas de queda, na repetição das experiências, enquanto que o avanço moral jamais será excessivo, representando o núcleo mais importante das energias evolutivas." 3

Neste trecho o autor destaca a superioridade do avanço moral sobre o conhecimento intelectual, mas deixa claro a importância de ambas, ao ilustrá-las como as "duas asas que nos elevarão à perfeição". Concluí-se, que o conhecimento adquirido através do estudo e da leitura é base segura que contribui para nossa evolução moral, ao nos fornecer subsídios para o raciocínio diante das tantas situações cotidianas.

Todos somos ignorantes

Você possui uma porção do conhecimento e todos os demais seres humanos juntos possuem o restante, desta forma, devemos reconhecer que todos com quem compartilhamos experiências têm algo para nos ensinar. Incorporamos novos conhecimentos diariamente através da observação, da experimentação e da interação com nossos semelhantes. O homem sábio, respeita o pensamento e as experiências alheias e é humilde e receptivo para ouvir e aprender com seu próximo. Isto é sabedoria.

[1] Allan Kardec. O Evangelho Segundo o Espiritismo - Capítulo 6, item 5
[2] Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. 2. Edição. Ed. Nova Fronteira - Pág. 454 e 1530
[3] Chico Xavier, pelo Espírito Emmanuel. O Consolador - Questão 204