Cadastre-se em nosso boletim semanal

Nome:
Email:
Cadastre-se e receba as atualizações do site

Atitudes corretas no mundo atual

A diversidade de características pessoais, de gostos, preferências, interesses e condutas dos seres humanos, refletem o quanto a humanidade é heterogênea, particularmente a dos tempos atuais.

Segundo diversos ensinamentos espiritualistas, dentre os quais se destacam várias obras espíritas psicografadas, estamos todos participando – encarnados e desencarnados – do processo de transição planetária, em que as mais diversas formas de vida do mundo estão sendo selecionadas e aprimoradas com vistas à nova fase da Terra, que galgará um degrau rumo a novo patamar na hierarquia dos mundos, ao tornar-se planeta de regeneração.

Como parte do imenso processo de purificação do planeta, muitas áreas dos planos sutis adjacentes à Terra têm sido saneados e reestruturados, na edificação da nova realidade planetária em futuro próximo. Multidões de espíritos têm sido retiradas de regiões inferiores do plano astral e reconduzidas ao palco da reencarnação para experiências próprias do atual momento mundial.

Espíritos recalcitrantes no mal passaram a reencarnar em grande número, compondo significativa parcela da população atual do plano físico. Isso explica em parte o recrudescimento da criminalidade, da violência, da corrupção e da degeneração dos valores que a sociedade contemporânea presencia. Muitas dessas almas estão recebendo mais uma chance de permanecerem vinculadas ao nosso planeta, desde que retifiquem a própria conduta e se convertam em seguidores da Luz, abandonando definitivamente os caminhos sombrios por onde vinham transitando.

Aqueles que percebem e compreendem tal realidade podem se propor uma atitude de serenidade perante a fase atual da vida planetária, evitando envolver-se com as forças destrutivas que operam em diversos setores da sociedade. A atitude interna de compaixão aliada à firmeza de propósitos, de certa forma promove imunidade psíquica ao evitar a sintonia vibratória com as citadas forças desarmônicas, ao mesmo tempo que permite um serviço mais proveitoso ao bem comum.

Para que possamos superar o presente período de conflitos e transformações mais intensas, é necessário focar a consciência nos aspectos mais profundos da existência, procurando transcender as ilusões das aparências e evitando dar aos aspectos externos dos fenômenos excessiva atenção. Pode-se estar em meio a grandes desafios e, ainda assim, permanecer em relativa paz e alegria, trabalhando e cultivando a certeza inabalável da vitória do bem.

Permanecer firme no serviço, no cultivo das virtudes, na vigilância que previne quedas e desvios do caminho, é, a nosso ver, a melhor atitude diante dos desafios contemporâneos.

Todos temos deveres e compromissos recíprocos no imenso educandário terrestre, e na atualidade somos especialmente convidados a exercitar as virtudes que julgamos já possuir, quando muitas delas ainda estão em estágio embrionário aguardando o contributo do convívio e da experiência para se consolidarem.

É compreensível nossa dificuldade de saber como agir diante de tantos desafios que deparamos na atualidade. Nesse sentido o Espiritismo se apresenta com rico conteúdo, seguro e confiável, para que nos informemos quanto aos melhores comportamentos, condutas e atitudes, sem que deixemos de manifestar nossa singularidade e exercer nossa liberdade.

A certeza de que todo mal é transitório e de que a aparente vitória das trevas é somente um ponto escuro que muito em breve receberá as claridades do alvorecer de uma nova era, traz ao ser humano comprometido com o bem um apoio interno muito importante, fortalecendo-lhe a fé e impulsionando-o ao prosseguimento nas tarefas que a vida o convida a realizar para a melhoria de si mesmo e, conseqüentemente, do mundo em que vive.

Seguir as diretrizes de segurança da própria consciência, reforçadas pelas preciosas informações mediúnicas que a Doutrina Espírita proporciona, assegura e amplia a confiança em dias melhores que sabemos ser a destinação do mundo.

Curta e Compartilhe esse artigo no Facebook!

Mais artigos deste autor