Cadastre-se em nosso boletim semanal

Nome:
Email:
Cadastre-se e receba as atualizações do site

A estratégia dos Espíritos obsessores

Álvaro Augusto Vargas

 

 Na literatura, temos relatos sobre a existência de entidades espirituais tidas como demoníacas (diabo, satanás, etc.), tanto em livros religiosos como as escrituras, como em obras de escritores em geral (exe.: Divina Comédia). Estes seres mitológicos, na verdade não são criações pervertidas para o mal. São apenas Espíritos desencarnados dos próprios homens, que se degradaram moralmente quando aqui estavam encarnados e, regressaram para o mundo dos espíritos, com as deformações em seu períspirito (corpo espiritual), originadas pelos vícios e crimes aqui praticados, apresentando-se então na nova dimensão da vida, conforme as diferentes descrições, variando conforme a interpretação dos autores. Para os médiuns videntes ou escritores que em desdobramento noturno visitaram os planos inferiores onde habitam estes Espíritos atrasados, estas visões foram tidas como seres criados por Deus, mas à parte da humanidade, para nos induzir ao “pecado”. Um grande equívoco! Em sua infinita misericórdia, Deus nunca faria isto. Todos estes espíritos fracassados terão como nós, a oportunidade de reencarnarem novamente, continuando a sua rota evolutiva neste e em outros planetas. A perversão existe apenas pelo nosso livre arbítrio, na escolha entre o mal ou o bem. A divulgação pelas religiões desta versão mitológica equivocada, retratando um diabo criado apenas para o mal e de um inferno eterno, serviu apenas para infringir o medo à população ignorante, como forma de “vender” a salvação, atendendo aos interesses escusos das igrejas.

Mas, a influência destes seres pervertidos no mal sobre a nossa humanidade não pode também ser negligenciada, pois é real. Da mesma forma que existem organizações criminosas no plano físico, o mesmo acontece no outro plano da vida. Não satisfeitos em apenas sugerir mentalmente aos homens desvios morais e a prática de crimes, articulam-se como quadrilhas organizadas, estabelecendo estratégias de ataque mais eficientes, visando atingir todos aqueles que estão propensos para o mal e os que ainda não conseguiram consolidar a moral do Cristo em seu interior. No livro “Libertação” (Chico Xavier & André Luiz), o Espírito trevoso Gregório, que em encarnação anterior havia sido um alto dirigente da igreja (talvez, um Papa), comanda um grupo de obsessores, agindo de forma implacável e perversa. Mas segundo esta obra, ele é resgatado pela ação dos benfeitores, contando em particular com a participação de um Espírito de elevado padrão moral, a sua própria mãe em encarnação passada, de nome Matilde, que há séculos orava e trabalha em seu benefício, aguardando um momento propício para a sua redenção, que finalmente ocorreu, deixando os Espíritos trevosos sem liderança.

Na continuação deste acontecimento, temos as obras de Divaldo Franco & Hermínio Philomeno de Miranda, compiladas pelo Alírio de Cerqueira Filho (A Obsessão e o Movimento Espírita), que trata deste assunto. Ele descreve sobre uma reunião que se seguiu ao resgate de Gregório, onde um Espírito trevoso para substitui-lo foi escolhido. Entre vários candidatos apresentados, todos com vasto currículo de crimes e maldades cometidos aqui na Terra, o vencedor foi um Espírito que em sua reencarnação como rei mongol no século XIV (provavelmente Tamerlão), deixou um rastro de destruição e sangue, com total desrespeito pela vida humana, sendo frio e implacável com todos os vencidos. Após sair dos planos inferiores para participar desta assembleia e contando com a ajuda de conselheiros que vibravam na mesma sintonia com o mal, traçou um plano de ação para a obsessão em nosso planeta.

Segundo Tamerlão, quatro pontos de ataque deveriam ser concentrados sobre a criatura humana:

Sexo: O homem é um animal sexual que se compraz no prazer e deve ser estimulado ao máximo. Aproveitando a sua fragilidade, todas as ferramentas da sedução deveriam ser empregadas de modo a desvia-los para as práticas sexuais desregradas. Realmente, este é o ponto mais fraco da maioria dos seres encarnados. Nesta ação, desde a influência mental, e até mesmo provocar encontros escusos que possam ocorrer tanto na convivência diária do ambiente profissional como nos eventos sociais, para facilitar os desvios de conduta. Empregando todo o tempo necessário, observam os pontos fracos e estudam as  reencarnações anteriores, para estabelecerem as armadilhas, que possam provocar as mesmas situações de fracasso em encarnações pregressas. Além disto, quando dormimos, deixamos provisoriamente o corpo físico, e entramos em contato mais direto com o mundo espiritual. Nestas viagens astrais, tanto podemos visitar planos superiores (se estivermos moralmente equilibrados) como podemos ser projetados para as zonas inferiores do Umbral, onde os obsessores podem nos conduzir para locais de perversão moral, ondem ocorrem verdadeiros bacanais, degradando ainda mais as mentes de todos que vibram nesta sintonia mental;

Narcisismo (orgulho, vaidade): mesmo as pessoas que possuam conhecimento doutrinário, incluindo adeptos do Espiritismo, mas que não tenham conseguido ainda interiorizar a Doutrina de Jesus (vivência Cristã) tornam-se presas fáceis destes obsessores. Segundo Divaldo Franco, no livro “Sexo e Consciência”, concentrar atenção exclusivamente nos aspectos científicos do Espiritismo, é um mecanismo de fuga, para não termos de enfrentar o desafio do autoburilamento espiritual. Muitas lideranças religiosas, mesmo com elevado valor moral, que inclusive conseguiram grandes avanços no conhecimento das revelações cristãs, chegam a fracassar fragorosamente quando colhidos nas teias da vaidade;

Poder: tem prevalência na natureza humana. A sensação de ser importante, e a busca irrefletida por cargos e posições de realce social. Ao invés de buscar cultivar a humildade, como nos ensinou Jesus, aprendendo a servir, o ego humano para as pessoas despreparadas, consegue ainda dominar o bom senso de muita gente. Não são poucos os centros espíritas que sofrem pelos desentendimentos originados na busca pelo poder, visando assumir a direção das casas, o que é um grande paradoxo, pois sendo uma escola de almas, isto não deveria acontecer;

Dinheiro: compra a vida e escraviza as almas. Quantas atitudes irresponsáveis e crimes são efetuados na busca desenfreada pela riqueza. Pelos prazeres terrenos que pode proporcionar, o dinheiro continua sendo um grande instrumento dos obsessores para aliciar todos àqueles que caem em suas armadilhas. Não foi por acaso que Jesus deixou um grande ensinamento: “Mais fácil uma corda (de pelo de camelo) passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus”.

 

Na conclusão de sua apresentação para a malta de Espíritos trevosos, convocados especialmente para aprovarem a sua estratégia de ataque sobre a humanidade, disse então Tamerlão: Sexo, Vaidade, Poder e Dinheiro. Mesmo que alguém resista a alguma destas armadilhas, quem conseguirá superar todas as quatro juntas? Esta estratégia entrou em operação na década de sessenta, identificada através dos movimentos de liberação sexual (sem responsabilidade), disseminação no uso de drogas aditivas, músicas barulhentas (metais, satânica, de horror), aumento da violência. A implementação desta estratégia maligna continua aumentado a cada dia, tanto pela ação dos obsessores, como pela invigilância dos homens.

Jesus nos ensinou que apenas lobos caem em armadilhas para lobos. E, o Espiritismo esclarece que temos sempre a companhia conforme a sintonia que estabelecemos. Para todos aqueles que perseveram no bem, buscam a literatura e filmes edificantes, tem uma conduta moral e ética no seu dia a dia, uma frequência salutar ao Centro Espírita (ou templo religioso de sua preferência), o culto do evangelho no lar, realmente nada existe a temer. Assim como respiramos e nos alimentamos, ingerindo nestes processos milhões de vírus e bactérias nocivos todos os dias (que estão naturalmente presentes na nossa atmosfera e muitas vezes nos alimentos), mas que não nos causam danos, pois são destruídos pelos anticorpos presentes em nossas defesas imunológicas, também o nosso hálito mental superior é capaz de estabelecer um campo magnético de proteção, similar a uma redoma de vidro, permitindo que fiquemos refratários a qualquer vibração dos Espíritos obsessores. Mas estes existem, e ainda serão permitidos a sua atuação por mais algum tempo, principalmente nesta fase de transição planetária, como parte do processo de separação dos Espíritos que continuarão a reencarnar na Terra, daqueles que serão exilados para um planeta inferior, conforme se refere o apóstolo João em seu livro de revelação (Apocalipse) escrito durante o exílio na ilha de Patmos. Orai e Vigiai no ensina Jesus. Tenhamos fé em Deus, e persistência na nossa transformação moral!